18/02/2014

BRASIL: Zezé é destaque em audiência do CNJ

 
 
Zezé participou como representante do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário da Bahia (Sinpojud). A dirigente sindical tratou dos problemas enfrentados no judiciário baiano. Ela ressaltou a importância da participação do sindicato e disse que o CNJ poderá coletar as manifestações e anseios da base em prol da construção de uma justiça melhor, tanto para os servidores quanto para a sociedade.

A sindicalista pautou o déficit de servidores no Judiciário baiano.
“É muito maior no primeiro grau de jurisdição – 7 mil servidores, contra 3,5 mil no segundo grau”, afirmou.
 
De acordo com a presidente do Sinpojud,  para piorar o quadro, enquanto sobram cargos comissionados nos gabinetes da segunda instância, as comarcas menores sofrem com a falta deles:  “Precisamos muito que um concurso para contratar servidores seja realizado, pois o último foi feito em 2008”, destacou Zezé.
 
Como ouvintes, participaram, ainda, os diretores do Sinpojud: Zenildo Castro, Jorge Cardoso, Cristovam Oliveira, Maurício Souza e o delegado sindical,
Robertone.

Debates

Alguns dos temas defendidos pelos manifestantes do primeiro dia de audiência:  Democratizar a gestão, criar mais mecanismos de transparência e redistribuir de maneira equitativa cargos e funções comissionadas.

Em dois dias de audiência pública, segunda e terça-feira , 17 e 18, respectivamente,  o Conselho visa debater mudanças necessárias para a melhoria da primeira instância da Justiça. A previsão é de que participam como manifestantes 60 pessoas, que tiveram suas inscrições deferidas.

A Federação Nacional dos Servidores do Judiciário nos Estados – Fenajud (entidade filiada à CSPB), foi representada pelo secretário-geral da federação, Volnei Rosalen, que tratou de temas como: campo da gestão, campo orçamentário, critérios de produtividade, atividades- fim, entre outros, além da pressão do executivo no Judiciário e eleições nos tribunais.

O presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal- STF, ministro Joaquim Barbosa foi enfático em seu discurso de abertura:: “Garantir eficiência nos serviços prestados pela primeira instância do Judiciário é dever da administração pública. A eficiência do primeiro grau não é um desejo, não é um sonho, é uma obrigação que advém de um dos princípios constitucionais da administração pública. Não há direito à ineficiência”. finalizou Barbosa.

Secom/CSPB
 

13 Vistas