05/12/2015

BRASIL: João Domingos debate nos EUA os processos de privatização com representante do Banco Mundial

3/12/2015

O objetivo foi debater o recrudescimento global das privatizações. Representante do Banco Mundial surpreendeu os presentes ao dizer, por exemplo, que “o banco nunca exige privatização de empresas públicas na concessão de empréstimos”.

Os líderes sindicais representantes dos cinco continentes ficaram surpresos com informações do representante do Banco Mundial, William Dorotinsky, de que força uma mudança na maneira como se percebe a ação do Banco Mundial em relação aos processos de privatização. Ele destacou, por exemplo, que as decisões de privatizar empresas públicas nunca é uma exigência do Banco para conceder empréstimos. Ao contrário, disse que preferem sanear as empresas públicas e imprimir processos de transparência e eficiência de gestão, mas que continue como patrimônio público e, assim sendo, as decisões e até as iniciativas de privatizar são dos governos.

​Sobre esta questão, o presidente da CSPB considerou que “a palestra foi um ponto fora da curva” no discurso global e dá uma nova abordagem nos processos de negociação locais. “A privatização é hoje a face mais perversa do capitalismo selvagem imposto pelas grandes corporações, e é  erroneamente respaldada na falsa percepção de melhoria da qualidade de serviço prestado. Devemos valorizar, a nível global, o serviço público em prol da construção do Estado Social de Direito que almejamos. E é por isso que não podemos, de forma alguma, continuar cedendo postos de trabalho ao setor privado”. Enfatizou João Domingos.

O presidente da CSPB  foi o único representante da América Latina pela ISP. O encontro reuniu grandes líderes sindicais do mundo, além de autoridades do Fundo Monetário Internacional – FMI, e do Banco Mundial. O evento foi realizado na sede da Federação Americana dos Funcionários Públicos Estaduais e Municipais – AFSCME, entre os dias 2 e 3, na capital dos Estados Unidos da América, EUA.

6 Vistas